NEWSLETTER
Cadastre seu e-mail:

Divulgação - TV Brasil
 
MANCHETES

» 17/05/2019 - 17:55
"Programa Especial" entrevista escritores com deficiência neste sábado na TV Brasil

Neste sábado (18/05), às 12h30, na TV Brasil, o “Programa Especial” conversa com três escritores brasileiros de sucesso, que contam como começaram suas trajetórias e revelam seus projetos atuais. O programa visita também uma ONG especializada em fabricação de próteses por impressão 3D.

Em entrevista à repórter Fernanda Honorato, o escritor Jairo Marques dá detalhes de seu mais recente trabalho, o livro "Malacabado, a história de um jornalista sobre rodas" (Ed. Três Estrelas).

"O título Malacabado é uma provocação, uma brincadeira, que é como muitos pensam que as pessoas com deficiência são: Será que ele é bem-acabado ou mal-acabado? Mas quem é o ‘bem-acabado’ no mundo?", reflete o escritor. "Quem é a pessoa completinha, quem é a pessoa que é o perfil do que é o perfeito? Acho que essa pessoa não existe", diz.

Complemento do trabalho de Marques em outras mídias (jornal impresso e internet), o livro é uma coleção de histórias e de passagens em que o autor analisa como o outro olha a pessoa com deficiência, seja na escola, seja em um namoro, no trabalho, nas relações do dia a dia.

O programa de sábado ainda traz uma matéria especial com a escritora Maria Cristina de Orleans e Bragança, com síndrome de Down, que atualmente prepara seu terceiro livro, uma fotonovela inspirada em família e amigos. A autora já publicou "Carta de Amor" (Ed. Leitura Dinâmica, 2006) e "Siwa e meus companheiros do passado e presente" (Ed. Nova Fronteira, 2017).

Em seguida, o premiado autor Cristiano Camargo conta sua trajetória como escritor, iniciada aos 12, depois de ele ganhar um livro ao visitar um museu. Diagnosticado com Síndrome de Asperger, Camargo tem mais de uma centena de livros já escritos, 10 publicados e conquistou três prêmios literários ao longo de 42 anos de carreira.

O quadro Dica mostra o trabalho da ONG Imprimindo Vida, que fabrica próteses para crianças com má formação congênita. Os profissionais da ONG explicam o processo de fabricação, que usa a tecnologia de impressão 3D.

"Essa prótese 3D tem sido muito bem aceita pelas crianças, principalmente, por ser muito lúdica. Vai muito para o lado da brincadeira, da questão do super-herói, de ter um poder", destaca o ortesista e protesista José Maria de Rezende, que colabora com a ONG. "E a gente acredita muito que sendo essa questão da impressão 3D de não ser aquela prótese pesada, aquela prótese que tinha uma questão de um membro praticamente morto, sem movimento. Então essa prótese veio agregar essa questão da criança se interessar e achar bem legal, ela acha divertido. E ela quer mostrar isso para as pessoas, ao invés de esconder”, frisa.

HOME         MANCHETES        BLOG FABIOTV       CONTATO        PUBLICIDADE

2007 - 2019  fabiotv.com.br - Todos os direitos reservados.